Centro de Pesquisas Amazônicas
Proposta 
2015

Concepção, ProjetoRoberto M.F. Mourão, ALBATROZ Planejamento 

Arquitetura: arq. Luciene Quel, Vigliecca & Associados 

 

Resumo

Estudo de viabilidade, solicitado em 2015 pelas organizações não-governamentais Amazon Charitable Trust e Viva Rio, para analisar: 

  1. os custos de implementação e operação e a viabilidade de investimentos de um centro de pesquisa socioambiental;
  2. os custos de operação e a viabilidade de investimentos no ecoturismo, ambos na comunidade de Xixuaú, Roraima, na Amazônia.
Objetivos Específicos
  1. identificar e analisar os principais custos para implementação e operação de um centro de pesquisa socioambiental e a receita mínima necessária;
  2. analisar os investimentos para melhorar qualidade dos serviços ecoturísticos prestados pela comunidade de Xixuaú;
  3. propor recomendações sobre a aplicação de recursos em pesquisa, ecoturismo e turismo de base comunitária.
Centro de Pesquisa

O Centro não implementado na época da análise pois o cenário nacional não era favorável e as ongs desistiram do projeto. No momento um novo grupo se propõe a implementar o projeto em outro local na Amazônia. 

Nesta análise somente focaremos o Centro de Pesquisa e sua infraestrutura associada (ecolodge).

Para a implementação do Centro de Pesquisas serão necessários investimentos iniciais de aproximadamente R$ 6  milhões (2015).

Sendo R$ 4.953.125,00 em investimentos em infraestrutura e R$ 731.032,00 para capital de giro.

Além de prever reinvestimentos de R$ 1.606.000,00 para reformas e substituições de equipamentos e mobiliário.

Os custos, despesas e receitas foram projetados em um horizonte de 15 anos, em três cenários de análise.

Os cenários projetam a receita mínima necessária para gerar fluxos de caixa suficientes para a viabilidade dos investimentos em 3 cenários de expectativas de rentabilidade:

  1. empresarial,
  2. social e
  3. não-econômica.

A rentabilidade é expressa pela Taxa Média de Atratividade (TMA), considerada em 13% no cenário de uma expectativa empresarial, 5% no cenário de expectativa em projetos de desenvolvimento social e nenhum percentual de retorno sobre os investimentos em um cenário de doação.

Os custos e despesas totalizam em R$ 141 mil por mês e em R$ 1,3 milhões anuais. O principal gasto é com pessoal, representando 40% do total, seguindo de manutenções, 13%, e transporte, 12%.

Adotando-se como receita factível de ser captada nos dois primeiros anos de R$ 800 e R$ 1,2 mil, respectivamente, a receita mínima entre o terceiro e décimo quinto ano deverá ser de aproximadamente de 1,8 milhões a 2,7 milhões, conforme as diferentes expectativas de rentabilidade nos cenários propostos, como demonstra tabela a seguir.

Recomendações

Para a implementação e operação do Centro de Pesquisas, tomando como base os resultados da análise, recomenda-se:

  • Buscar parceiros financiadores e institutos de pesquisas socioambientais;
  • Captar de recursos iniciais na ordem de R$ 6 milhões para a implementação da infraestrutura e capital de giro;
  • Captar de recursos de projetos de pesquisa que possam gerar ao menos R$ 1,8 milhões em receita por ano;
  • Realizar benchmarking com institutos de pesquisa, como p.ex. o Instituto Mamirauá ou o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) para a estruturação do centro de pesquisa e definição de áreas de pesquisa;
  • Buscar informações sobre a possibilidade de parceria com o programa de unidades de inovação do Ministério de Ciências e Tecnologia para facilitar a captação de recursos;
  • Analisar a demanda por pesquisas em universidades nacionais e internacionais na Amazônia para aperfeiçoar as projeções financeiras, como também em instituições financiadoras de pesquisa no Brasil, nacionais e internacionais, como CAPES ou agências de cooperação internacional;
  • Analisar áreas de pesquisa sobre Mudanças Climáticas (p.ex. REDD) e de fortalecimento de negócios sustentáveis (ecoturismo de base comunitária, produção orgânica, extrativismo vegetal e animal, etc.), como forma de contribuir para o desenvolvimento regional;
  • Analisar alternativas econômicas de produtos não-madeireiros / Biocomércio.

 

Foto aérea da Pousada Uacari. © Instituto Mamirauá.

 


Samaúma Centro de Pesquisa, Amazônia

 

Roberto M.F. Mourão / ALBATROZ Planejamento
Para uso e permissões favor contatar: roberto@albatroz.eco.br

 

Conheça outros projetos...

Reforma de Imóvel em APP, Fazenda Murycana
Reforma de Imóvel em APP, Fazenda Murycana

  Fazenda Murycana, Paraty (atual Fazenda Bananal) Reforma de construção em Área de Preservação Permanente – APP (2014) Alojamento para Pesquisadores     Conceito de Área de Preservação Permanente – APP Conforme define o Código Florestal (Lei Federal nº 12.651/2012): “Área de Preservação Permanente é uma área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, localizada na zona rual […]

Ordenamento Turístico do Poço dos Ingleses, Paraty (proposta)
Ordenamento Turístico do Poço dos Ingleses, Paraty (proposta)

                   Projeto de Ordenamento Turístico do Poço dos Ingleses  Rio Pedra Branca, Paraty Proposta de Ordenamento Informações e fotos de 2016 Autoria: Roberto M.F. Mourão, ALBATROZ Planejamento   Introdução Localização Chega-se ao Poço do Ingleses pela Estrada Paraty-Cunha, entrando à direita, após a Ponte Branca, segue pela Estrada da […]

Haiti: Centro de Hotelaria Viva Rio
Haiti: Centro de Hotelaria Viva Rio

        Centro de Formação em Hotelaria e Ecoturismo Centre Raymond Louis Roy pour Formacion en Hotellerie et Ecotourisme Idealização, Projeto e Coordenação da Construção Roberto M.F. Mourão, ALBATROZ Planejamento e-mail: roberto@albatroz.eco.br    O Centro de Formação em Hotelaria e Ecoturismo (Centre Raymond Louis Roy pour Formacion en Hotellerie et Ecotourisme), situado na Costa de Arcadins […]

Parceiros e Apoiadores